domingo, 22 de junho de 2008

Constatação

Dos sonhos retiro o ser constante que almejo
Retiro ar, promessas de vida feliz
Mas a voz que infinitas vezes cala hoje me diz
Que não há passado ou futuro, há o ser, o eterno pensar

Nem o aviso me faz sentir como verdadeira a promessa
Sinto como se amor me envolvesse e não mais me largasse
Ilusão
Dias de sol e calor sem que o tempo passe

E apesar de me fazer de cega sei bem o que é real
Sei do tempo e dos males que viajam com ele
Sei dos bem-vindos suores do labor
E dos olhos, sempre olhos, a me observar

Bem sei que não há tão farta imagem
Não há quem me toque onde não há céu
Não há o amor dos contos enfadados
Há apenas a dor, a alegria, o ser plenamente.

Laís Leite

Um comentário:

Nelson disse...

"Sei do tempo e dos males que viajam com ele"

e a gente costuma a só ver o lado bom dele.